Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/20.500.11796/1502
Title: Vivências de lazer em jovens com DID: o papel da escola
Authors: Alves, Maria Teresa Magalhães de Oliveira
Orientador: Afonso, Carlos
Keywords: Educação especial
Dificuldades intelectuais e desenvolvimentais (DID)
Currículo
Transição para a vida adulta
Issue Date: 11-Dec-2014
Abstract: O presente estudo resulta de uma investigação que teve como finalidade averiguar as vivências de lazer em jovens com Dificuldades Intelectuais e Desenvolvimentais (DID) que frequentaram Currículos Específicos Individuais (CEI) ou Currículos Alternativos (CA). Através da análise das entrevistas realizadas a quatro jovens e aos respetivos familiares, depreendemos que a escola parece não valorizar a área do lazer na estrutura dos CEI, pelo que são raras as vivências neste âmbito, talvez porque os próprios professores valorizam pouco essas atividades e, como tal, não as integram no currículo. As opiniões refletem a necessidade de uma escola mais dinâmica e empreendedora. Sobressai ainda a necessidade de organização de um currículo estruturante de cariz funcional, devendo, a partir dos contextos de vida, desenvolver áreas como a autonomia pessoal, a socialização e o lazer, com o objetivo de promover a transição para a vida adulta. O papel do professor é, portanto, fundamental na seleção de conteúdos que deverão ir ao encontro dos interesses, motivações e necessidades dos alunos e proporcionar vivências funcionais significativas e úteis na vida presente e futura. Podemos dizer, então, que os sistemas educativos inclusivos pressupõem mudanças significativas na escola, nas práticas educativas e pedagógicas, tendo como objetivo respostas eficazes. Neste âmbito, uma “escola para todos” e “com todos” obriga a uma flexibilização do currículo.ABSTRACT The present work is the result of an investigation made to evaluate the recreation experiences of teenagers with Intellectual and Developmental Disability (IDD) and a Specific Individual Curriculum (SIC) and Alternative Curriculums (AC). After analysing the interviews made to four teenagers and their families, we inferred that the school does not seem to give much importance to the recreation area within the structure of the SIC. There are very few examples of such, maybe because teachers themselves don´t value those activities and therefore do not include them in the curriculum. The opinions gathered reflect the need for a more dynamic and enterprising school. Another aspect which stands out is the need to organize a structuring curriculum of an effective nature. Based upon the contexts of life, the curriculum should develop areas such as personal autonomy, socialization and recreation, with the purpose of promoting the transition to adult life. The role of the teacher is therefore fundamental in the selection of the contents. These should meet the interests, motivations and necessities of the pupils and provide meaningful effective experiences for the present and future life. One can therefore say that inclusive educational systems imply significant changes within the school and in terms of educational and pedagogical practices, so that efficient responses can be achieved. In this context, a “school for all” and “with all” requires a flexible curriculum.
Description: Dissertação apresentada à Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti para a obtenção do grau de Mestre em Ciências da Educação – Especialização em Educação Especial
URI: http://hdl.handle.net/20.500.11796/1502
Appears in Collections:

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TM_2014_EE.M.TeresaAlves.pdf.pdfDocumento principal1.42 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.